Tipos de câncer de tireóide

     Existem vários tipos e subtipos de câncer de tireóide. Saber classificar é extremamente importante já que a evolução natural da doença, muda de acordo com o tipo de câncer de tireóide. 

     Sempre que se descobre um novo nódulo da tireóide, a avaliação de um cirurgião de cabeça e pescoço é o passo inicial para o processo de investigação.

Os principais tipos de câncer de tireóide.

     O fato de você descobrir um nódulo na tireóide, não quer dizer que automaticamente esse nódulo precisa ser investigado.

     Na realidade a frequência de nódulos de tireóide em pessoas que realizam a ultrassonografia de tireóide é muito comum, e pode ocorrer em até 68% das pessoas que realizam um ultrasson de tireóide. Mas calma, o fato de ter descoberto um nódulo na tireóide não quer dizer nada.

     Assim como a frequência dos nódulos de tireóide é alta, a chance desse nódulo ser um câncer é baixa, e se sabe que apenas 7% desses nódulos terão algum tipo de câncer no seu interior.

     

     A glândula tireóide se localiza na porção anterior do pescoço e um local que comumente são descobertos nódulos tireoidianos. Muitos desses nódulos tem que passar por um processo de diagnóstico para confirmar de existe ou não a possibilidade de ser um câncer.

 

     Existem vários tipos de cânceres de tireóide, os mais comuns, chamados de diferenciados, são os que evoluem com melhor resposta ao tratamento e apresentam um índice de cura que ultrapassa 92% dos casos. Porém, em parcela muito menor, existem os cânceres indiferenciados que possuem um índice de cura baixo em relação aos outros tipos de cânceres de tireóide.

 

     Os cânceres malignos da tireóide são;

  • Carcinoma papilífero: o mais comum e ocorre em cerca de 80 a 90% das pessoas que descobrem um câncer de tireóide. Tem uma maior tendência a se espalhar para os nódulos linfáticos, tem crescimento lento e é também o que possui o melhor índice de cura que é superior a 90%.

 

  • Carcinoma folicular: Esse é o segundo mais comum câncer de tireóide, ocorre em cerca de 10 a 15% dos casos, ao contrário do carcinoma papilífero, ele raramente se espalha para nódulos linfáticos. A taxa de cura é alta, principalmente entre jovens, e chega a 90% de cura.

 

  • Carcinoma medular: Menos comum que os citados anteriormente, ocorre em 5% dos casos. Esse tipo por sua vez tem um índice de cura menor e uma taxa de metástase para outros órgãos mais elevada e pode ter um componente hereditário.

 

  • Anaplásico: É a forma menos comum, cerca de 1%. Esse tipo de câncer tem o comportamento extremamente agressivo e com altas taxas de retorno da doença, mesmo após cirurgia. Mais comum em pacientes mais idosos e a sobrevida além de 2 anos é muito rara.

     Sempre que o paciente apresentar uma lesão compatível com câncer de tireóide, a busca por um profissional da cirurgia de cabeça e pescoço é o passo inicial para o diagnóstico e tratamento da doença.

      Dr. Márcio Costa Fernandes

      Cirurgião de cabeça e pescoço 

      Cirurgião geral e cirurgia videolaparoscópica.