Frequência dos nódulos de tireóide

     Os nódulos de tireóide são alterações muito comuns na glândula tireóide e que são responsáveis por uma grande ansiedade ao paciente que descobre esses nódulos de tireóide quando realizam uma ultrassonografia de pescoço.

              

       A ultrassonografia de pescoço e tireóide é um exame rotineiramente solicitado na prática clínica de muitos médicos como ginecologistas e endocrinologistas. Durante suas avaliações anuais de rotina, é comum a solicitação tanto da função da tireóide (que é avaliada através da dosagem dos hormônios TSH e t4 livre), quanto da ultrassonografia de tireóide.

     

     Muitos pacientes com essa descoberta, se preocupam e ficam muito ansiosos enquanto aguardaram uma consulta com especialista. Uma série de medo e temor acerca da possibilidade de câncer tornam a espera por um especialista, um período de aflição.

      Porém, a grande verdade é que em 90% dos casos não há com o que se preocupar. Os nódulos de tireóide são muito comumente descobertos em exames de ultrassonografia de tireóide de rotina, e esses nódulos de tireóide podem ocorrer em até 68% das pessoas que realizam esse exame de rotina. O medo do paciente sempre está associado ao temor do nódulo descoberto ser um câncer de tireóide.

         O nódulo de tireóide tem uma maior incidência principalmente em mulheres, e se tem dados que cerca de 50% das mulheres acima de 50 anos, são portadoras de nódulo de tireóide.

        Em torno de 4% a 7% dos nódulos de tireóide descobertos, podem ser palpados ao exame do cirurgião de cabeça e pescoço. A maioria nem perceptível ao exame ou a visualização é.

         

          Mas não se assustem, os números estão a nosso favor.

             

         Quando se fala de risco de câncer, de todos os nódulos descobertos, em apenas 7% a 14% possui doença cancerígena em seu interior, e se tratando de câncer, tem um alto índice de cura superando 90% de cura em alguns casos.

          Raramente causam algum tipo de sintomas. Porém é comum que os pacientes relatem dor ao engolir, mesmo em nódulos pequenos que não seriam capazes de gerar esse sintoma.

           Isso se explica por dois motivos;

 

          No primeiro, a ansiedade pela descoberta faz com que o pacientes tenha a percepção até de pequenos detalhes na sua rotina e que antes não dava tanta atenção, e o segundo motivo é que a uma boa parte das ultrassonografias de pescoço e tireóide solicitadas, é justamente devido a queixa de dificuldade para deglutição. Só que esse sintoma na maioria das vezes, não tem qualquer relação com o nódulo de tireóide.

             Os nódulos de tireóide tem um crescimento indolente, lento.

       

      Mas na maioria das vezes esses nódulos não vão necessitar nada mais que um acompanhamento anual com exame de ultrassonografia de tireóide, com o intuito de avaliar sua estabilidade.

               

         Então, primeiro passo após descobrir um nódulo de tireóide é ter calma e procurar um profissional de sua confiança para avaliação.

Dr. Márcio Costa Fernandes

Cirurgião de cabeça e pescoço 

Cirurgião geral e videolaparoscópico

Manaus - Amazonas