Tireoidectomia
(cirurgia para retirada da tireóide)

     Algumass doenças da tireóide tem como opção de tratamento, o procedimento cirúrgico.

     

     Apesar de ser um procedimento que se tenta evitar, a cirurgia da tireóide em algumas situações se torna inevitável e a melhor via de tratamento para o paciente portador de doença da tireóide.

     A principal doença que se aplica essa conduta é o câncer de tireóide. Quando tratado de forma precoce, o câncer de tireóide possui um alto índice de cura.

 

     Tem uma maior incidência em mulheres, porém uma maior agressividade em homens. O diagnóstico de câncer de tireóide se inicia através de uma descoberta de um nódulo de tireóide, que na maioria das vezes é uma achado incidental ( por acaso ) durante a realização de um exame de rotina de ultrassonografia de pescoço.

     Após a descoberta de um nódulo da tireóide, o próximo passo do paciente é passar por uma avaliação com o cirurgião de cabeça e pescoço, para que possa ser avaliada a necessidade ou não de uma investigação diagnóstica.

     Tireoidectomia, é o nome que se dá ao procediemnto cirúrgico que consiste na retirada da glândula tireóide. Essa cirurgias podem ser; tireoidectomia total (quando se retira toda à glândula tireóide) ou tireoidectomia parcial (quando se retira apenas metade da glândula tireóide).

      A tireóide é uma glândula endócrina que produz e  secreta uma série de hormônios na corrente sanguínea, e que são essenciais para o adequado funcionamento celular e metabolismo corporal.  A glândula tireóide  tem um formato de escudo ou borboleta, esta localizada na parte anterior do pescoço logo abaixo da laringe (garganta) e pode ser acometida por uma série de doenças, tanto malígnas como benígnas, sendo seu tratamento sempre algo personalizado e que varia de acordo com o tipo de paciente.

      Indicações de tireoidectomia.

Existe uma série de indicações diferentes para o tratamento cirúrgico da glândula tireóide, que varia entre doenças de cunho funcional (hiperfunção da tireóide chamado de hipertireoidismo) até doenças como câncer. As indicações mais comumente são:

  1. Câncer de tireóide.

  2. Glândula tireóide volumosa que cause dificuldade para deglutir e respirar.

  3. Tumores não cancerosos (benigno) glândula tireóide.

  4. Uma tireóide com hiperfunção e sintomas de hipertireoidismo que não são controlados com medicação.

     Porém, sempre que se descobre alguma alteração na tireóide que se possa necessitar de cirurgia, o cirurgião de cabeça e pescoço é o especialista responsável por essa abordagem.